⌠ 24 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Isabela Barbosa
Quero viver a vida
Escrito por Isabela

Quero viver a vida
sem manuais, sem as regras impostas
quero caminhar livremente
como os pássaros voam

Quero esperança para todos
este não é um pedido individual
Canto para todos
todos precisamos viver

A tristeza não é justa
ela nasce da injustiça
que lágrimas cessem e sorrisos ressurjam

Não quero viver medindo passos
calculando horas, as contas
não quero que me levem
quero ter a chance de decidir
de fazer minhas próprias escolhas
sem culpas

Quero sentir o próximo
pensar que é meu amigo
não quero olhar e pronunciar a palavra competir
não quero competir
não quero dizer concorrência
nem ser uma
Quero andar lado a lado

Ouvir as crianças...seus gestos simples
sorrisos sinceros
Aprender delas

Quero que meus sentidos saibam
reconhecer cada passo, cada detalhe, cada gesto da vida cotidiana
Coisas simples
Não quero que a pressa, o egoísmo
O meu próprio mundo oprimido
me impeçam de enxergar

Ouvir uma canção e saber no instante
que ela lhe tocou...
Andar com amor

Por quê querem que tenhamos medo?
medo de tudo, da prova, do desconhecido
da entrevista, de falar, de dar sua opinião
Quem nos disse que não se pode?
Sempre foram maneiras de impedir
a autonomia, a chance de ser
Eu quero ser como sou e quero sonhar
um sonho em conjunto

Nenhuma ordem imposta
poderá quebrar dentro de nós
os valiosos sentimentos

Se não concorda, lute

Tiraria as palavras mais autoritárias
dos dicionários e não só deles
mas da vida

Quero  seguir o vento que passa entre as ruas
Quero ver no espelho
não mais os olhos tristes
quero transformar o caminho

Este é um canto para todos
nosso país é imenso... e tão distante estamos um dos outros...
nem as tecnologias nos juntaram...
ou nos deixaram mais distantes?

Olhar para a vida com curiosidade
e lutar pelo que se precisa transformar
mas não sozinho, sempre juntos

Porque acredito em você, então não estou mais só

Somos muitos, muitas histórias, raízes
tradições, sentimentos, sonhos
a multipolaridade de vidas
que merecem viver e não mais aceitar ordens