⌠ 40 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Patrícia Weber
Presente deixando o passado
Escrito por Patrícia Weber

O cheiro de verde, ressaltado pela umidade relativa do ar que faz com que as plantas ao meu redor exalem o que tanto me agrada, está presente nesta agradável tarde. Gostaria que sempre fosse assim. Todas as tardes: esse céu azul, essa sombra fresca, esse cheiro, um bom livro, uma música agradável nos meus ouvidos e uma sensação de que está tudo resolvido. As coisas estão indo muito bem por agora, afora algumas complicações cotidianas e esse péssimo hábito de me preocupar e me precipitar demasiadamente.
Tenho me afastado, sim, de muitas pessoas. É proposital, portanto não se sinta mal ao pensar que o meu "também senti saudade" seja mentira ou um equívoco. Realmente o é. Sabe, por muito tolerei coisas desagradáveis apenas por achar que estava sendo uma chata ranzinza, porém, agora, vejo que o primeiro adjetivo ali não cabia à mim. O segundo, confesso que sim.
O ciclo normal da vida é que as coisas mudem num longo ou curto prazo. Isso foi ocorrendo comigo aos poucos, pouquinhos, e agora já está na cara. Não venha me dizer que estou sendo sem coração, insensível, ou qualquer coisa que nomeie quem é realista nestes momentos; o fato - diria irreparável - é que não somos mais os mesmos. E, portanto, devemos confessar que a culpa não foi nossa. Foi indiretamente, talvez. Mas não vejo motivo para a raiva. Sejamos sinceros com os fatos, com os casos, conosco. Afinal, seu caminho é totalmente diferente do meu, o que torna isso mais do que normal.
Todas essas palavras, é claro, não demonstram o quanto eu sentirei falta. Mas, tal como tudo isso que disse, também sei que tudo o que era divertido antes, não será mais. Pois temos pensamentos diferentes, modo de vida também. Memórias boas fazem bem, e eu prometo me esforçar para guardar as nossas. Apesar de ser racional, falta-me um lugarzinho para guardá-las, porque sempre as perco por aí. Guardarei também as fotos, se o tempo e o desleixo não fizer com que eu as perca. As cartas sei que ficarão ali, no cantinho que quase não mexo. E bem, os sentimentos, esses sei que não perderei. Minha memória emotiva cumpre bem seu trabalho.
Te vejo nas próximas férias, amigo.