⌠ 14 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Diego Vítor
É tudo como correr atrás do vento... (1ª Parte )
Escrito por Diego Vítor
É tudo como correr atrás do vento...
(1ª Parte )
 De que vale cada dia da vida de um homem? A reunião de todos os momentos de alegria e satisfação podem de fato resultar no que seria o real sentido da vida? Acaso não são os momentos de angustia e insatisfação tantos quanto os de alegria? Dessa forma ainda que todos os dias da vida de um homem fossem de prazer e satisfação e não houvesse tristeza alguma, ainda sim não haveria qualquer diferença entre se viver dez ou cem anos, uma vez que a morte apagaria a lembrança de cada momento. Apagaria os rastros dos bons e dos maus momentos, e não havendo então qualquer diferença entre eles, anula-se assim o sentido de se viver tanto um quanto outro momento.
 Pois se até a terra que existe desde o princípio dos tempos tem períodos de chuva e de seca, de frio e de calor, assim também terá o homem tanto a alegria quanto a tristeza, tanto alívio quanto o desespero, e assim como o dia se finda na noite, não há homem a quem venha uma alegria que nunca se acabe. E se o sentido de se viver não está em ser feliz o maior tempo possível, e se a soma de todos os bons momentos ainda não acrescenta mais sentido na vida do que na morte, qual a razão de sustentarmos o “habito de se acordar vivo”?
Eu me permiti procurar em cada canto da minha pouca idade e me deixei perder entre as muitas loucuras das quais me vieram à mente fazer, pra ver se de algum modo conseguia encontrar o que realmente cabia fazer pra que houvesse sentido na vida de um homem. E não encontrei em parte alguma um sentido pelo qual eu devesse viver, porque de todo o álcool que bebia só me restava a dor de cabeça no dia seguinte e essa passava, e de todo bom momento que vivia me restava apenas as lembranças, e essas traziam tristeza e também passavam.
 Eu também reparei naqueles que andavam ao meu lado e nos meus pais e nos pais deles e em todos que me cercavam, e notei que todos pareciam de certa forma buscar pelo mesmo sentido à qual eu também buscava e que nem o mais satisfeito entre eles podia obter esse sentido de sua satisfação, nem o jovem da força da sua juventude e nem o velho da sabedoria e experiência da sua velhice....(continua)
Diego Ap. Vítor 
escrevendoprovento.blogspot.com/p/escrita.html
Diego Vítor
Não creio em ateísmo...
Escrito por Diego Vitor

Pelo menos não em uma mente sã. Pois a descrença em um deus exigiria ao homem crer em “algo ainda maior” pra que ele então pudesse sustentar o seu propósito pessoal de existência, anulando então o próprio ateísmo. Somente a irracionalidade pode tolerar a suposição da inexistência de um criador, ou a loucura, no caso da “humanidade” que é racional.

Creio que a mente humana não pode descarta por completo a possibilidade da existência de Deus, porque a inexistência de Deus anseia de explicações infinitamente mais inalcançáveis que a existência.Ainda que um homem em são estado professe incessantemente com os lábios a inexistência de Deus, o seu subconsciente de maneira alguma consentiria com tal afirmação, pois isso o levaria a uma perda total de padrões éticos, morais e por último até mesmo da racionalidade. Pois o homem entregue à suas próprias leis e vontades despreza o uso do raciocínio, visto que os animais (não providos de raciocínio) não seguem nenhum padrão, senão o próprio instinto, tornando, aliás, difícil a coexistência de dois indivíduos (irracionais) que instintivamente não podem coexistir, e nesse caso impossível a convivência de homens em sociedade.
O raciocínio lógico humano carece a todo o momento de explicações e respostas quanto a tudo que se passa na mente, e se no âmbito existencial faltam “provas” da existência de Deus, ainda mais impossível é considerar racionalmente sua inexistência, ou do contrario a lógica por falta de respostas levaria em certo tempo qualquer homem a loucura.
A não vivência de Deus anularia o sentido da vivência humana, e se a vida se conclui na sepultura, qual o valor da própria vida enquanto ela ainda existe? E uma vez que se chega à conclusão de que não haverá vida após a morte, ou conseqüência alguma (seja boa ou ruim) do fato “viver”, qual então o sentido de se submeter a normas e regras sejam elas divinas, sociais ou até mesmo pessoais? Qual o sentido do raciocínio (que leva à coerência), se o necessário fosse tão somente viver por instinto até que a morte trouxesse com ela o simples apagar todas as coisas?
A mente sã é incapaz de descarta que exista Deus, porque a inexistência de alguém que lhe impute conseqüências futuras de atos presentes, permite então que o homem atue livremente por extinto, e despreze assim o raciocínio (que é o que leva o homem a submeter-se a leis e normas, venham  elas de onde vierem, consciente dos benefícios dessa submissão). Se não há vantagens pós-morte, não há porque seguir ética ou moral ou regra alguma ainda em vida. E se alguém age por ética, e por leis humanas habita em sociedade buscando exclusivamente as vantagens dessa curta vida, digo que vantagem alguma haveria então na própria vida e que grande inutilidade seria viver, se a morte trouxesse a inexistência e com ela a paz de não se existir, o que, aliás, contraporia a essa perturbação da consciência de que se existe.
Grande inutilidade seria para o homem plantar o bem durante toda a vida, se depois da vida finda só restasse a inexistência, onde ele próprio não poderia se deleitar nos frutos do seu plantio. Bem melhor era viver como os cães que agem apenas por instinto e não por inteligência, e nenhuma conseqüência há de seus atos irracionais.

Se o ignorar do fato de que Deus existe mudasse o fato da sua existência, ainda assim não haveria sentido algum em se viver (por um segundo que fosse) sabendo que a única coisa que existiria após essa miserável vida seria a “não existência”.

Diego  Vítor   
⌠ 19 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Mauricio de Lima Costa
Meu modo de ver Religião
Escrito por Mauricio

Tive a idéia de escrever esse texto pra definir um pensamento meio abstrato na minha mente. Eu penso que quando você concretiza uma ideia, a torna real, você abre espaço pra pensar sobre outras coisas e se preocupar com assuntos mais interessantes. Isso é evoluir. Por isso vou "concretizar" meu pensamento sobre religião pra parar de falar e pensar sobre isso.

---

Um homem se sentia solitário, vazio e começou a preencher seus espaços tendo crenças em coisas que ele gostaria que existissem. Ele, que já nasceu feio, não queria acreditar que seria feio pra sempre, não queria se conformar com essa ideia, então, começou a imaginar como seria se fosse mais bem apresentavél e imaginar que depois de sofrer tantas humilhações, deveria haver alguma recompensa. Pronto, é assim que surgem religiões.

Sim, existem as mais diversas formas e princípios., mas, basicamente, todas têm um ou mais livros sagrados, que contam o início da humanidade e, no final do livro, descreve o fim da mesma. Hindu, cristianismo e outras seguem esse mesmo esquema.

O que é Deus?

Deus é um conjunto de coisas boas, mas interpretado de formas diferente. O que muda é só a origem e o caminho pra chegar até "lá". E todas chegam ao mesmo ponto no final, ou seja, que Deus é amor, é bem-estar, é paz.... O contrário de Deus é o perverso, o mal. Toda religião no mundo segue isso: o bom sempre é Deus.

Tendo em vista isso, religião nada mais é que um sonho, um querer. Isso se chama fé e, por nem todo sentimento no mundo ser igual, existem diferentes religiões, e todas devem ser igualmente respeitadas.

Fé, estamos cansados de saber, não precisa de provas, ela simplesmente existe. Um sentimento muito forte que faz você viver de acordo com uma doutrina, acreditando fielmente que ela é a correta, independente de provas ou falta delas. Então, qual o motivo das provocações entre ateus e cristãos e assim por diante? Bom, eu assimilo com aquela situação do cara que provoca a garota feia da sala, mas no fundo, é apaixonado por ela. O ódio e o amor são os sentimentos mais próximos que existem. Os sentimentos compõem um círculo em que os extremos são colados um no outro.

Um ateu revoltado surge por que se sentiu enganado por uma religião que foi criado desde a infância, é igual acreditar em Papai Noel e ver seu pai escondendo a bicicleta de madrugada, você se sente trapaceado, se sente idiota. Ninguém cria nada "anti-papai noel", mas criou a anti-religião, que é o ateísmo, justamente por que a fé dos pais foi passada muito fortemente para os filhos, mas estes se sentiram enganados e, o que era amor, virou ódio e revolta.

Isso explica o fato desse tipo de pensamento surgir na adolescência - sim, existem ateus adultos - , mas ser adulto não quer dizer ser maduro. Ser adulto é um lugar onde pessoas que sobreviveram conseguiram chegar, nada demais. Por isso tenho certeza que nada mais sensato do que saber que alguma coisa existe. Mas não podemos classificá-la ao nosso bel prazer, nem querer obrigar ninguém a pensar igual e, da mesma forma, devemos respeitar o pensamento do próximo.

---

Não ficou um "texto", mas sim uma explicação do meu ponto de vista, como um diálogo, meio bagunçado - como uma conversa deve ser - e sem teorias.  

Mauricio de Lima

⌠ 23 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Diego Vítor
Penso, logo Deus existe!
Escrito por Diego Vitor

 “Um grande problema é que as pessoas querem ver o som e ouvir a cor, mais o sentido não se adapta a isso”

Eu não ouço uma cor, eu não toco em um som e muito menos vejo um sabor, embora a minha mente crie o que seria o gosto de uma “laranja” quando vejo uma. Passo a vida ouvindo sons que não são notados pelos meus olhos e nem um cheiro surge deles. O meu olfato não os percebe, mas os meus ouvidos os provam.
 
Coisas que eu não vejo, que não ouço, que não posso tocar e nem sei qual o sabor fazem parte do meu dia, e são tão reais quanto as coisas visíveis. Eu não vejo o amor, eu não vejo amor algum! Eu vejo atos de amor a todo instante, mas o amor não me entra pelos olhos e o que vejo apenas reflete o sentimento que tenho em mim, e isso passa a ser a parte visível do que então seria o amor.
 
Eu digo que Deus existe... Você diz que só acredita vendo.
Você só esta vivo porque tem oxigênio em seus pulmões. “Ar”, simples e invisível ar. E se você me diz que só acredita vendo, eu lhe peço que não acredite que a sua “valiosa” vida depende de algo que você não vê e então deixe de respirar daqui para frente.
 
Eu não vejo Deus, eu sinto Deus. Eu digo que Deus existe... Você diz que não sente Deus.
Você só está vivo porque além do ar que você respira, você também se alimenta. Não é necessariamente preciso enxergar ou ouvir para se viver, correto? Não é necessário sentir o gosto para se fartar de um alimento, embora assim fique bem mais difícil comê-lo. Você me diz que não sente e não acredita em Deus e que nem por isso você vai morrer, e eu concordo (em parte). Muitas pessoas não sentem amor, muitas pessoas não sentem as próprias pernas, muitas pessoas são cegas e surdas e isso também não as mata.
 
A minha mente não depende dos meus olhos para funcionar, mas os meus olhos nada veriam sem a minha mente. Logo, o que eu vejo com a mente vale mais do que eu vejo com os meus olhos.  

Diego Vítor

http://pensologodeusexiste.blogspot.com/

alt
        

 

Revisão: Daniele Ribeiro

 
⌠ 32 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Pedro Henrique Lima
Catarse
Escrito por Pedro Henrique Lima

Como o blog anda muito poético resolvi mudar o estilo de textos produzidos por mim afim de acrescentar diversidade ao blog. Vamos ver o que virá!

Existem alguns filmes que são bem mais do que simples filmes, são, na verdade, momentos de expansão da consciência. Existe um termo importante que relaciona-se com o texto: catarse(do grego Κάθαρσις "kátharsis"), significa, de modo simplista, descarga de sentimentos e emoções. Há uma tremenda liberação de energia que pode conduzir a uma mudança ou a encontrar-se num momento de desencontro. O filme em questão é o velho porém sempre novo: Rocky Balboa. Assisti ainda hoje na TNT( é incrível como tesouros aparecem nos meus momentos de ócio ). Abaixo segue minha reflexão que deveu-se em especial pelo seguinte trecho de um diálogo do filme:

"E quando as coisas vão mal, você procura alguém para culpar, como se fosse uma sombra. O mundo não é um arco-íris e um amanhecer, na verdade é um lugar ruim e asqueroso. E não importa o tão durão você seja, apanhará e ficará de joelhos, se assim permitir. Nem você, nem ninguém baterá tão forte quanto a vida. Não importa o quão forte você golpeia, mas sim, quantos golpes você agüenta levar e continuar em frente, o muito que você possa aceitar e seguir adiante. Assim é a vida!."



Nós homens caímos em diversas armadilhas do cotidianos que suprimem nossas energias. Seja uma rotina extensa que drene nossa vontade de sair e viver; seja uma mudança de cidade contrastante com o jeito de ser; um término de namoro etc. tudo isso torna-nos apáticos, quase cor pastel ante a vida. 

Daí chega o momento que percebe-se o problema, percebe-se nossa reação passiva e depressiva e decide-se:
a) Continuar passivo e permanecer indiferente ao mundo;
b) Fechar-se e odiar o mundo;
c) Mudar a postura interna e tentar mudar a perspectiva do momento que se passa;

Tudo tão simples assim escrito neh?! Mas quando o mundo bate em você com tanta força que a visão fica turva e a mente confusa, pensamentos elaborados são impossíveis e os breves são infactíveis. Tentamos ver uma caverna postanto uma lanterninha de mão. Os golpes, contudo, continuam a ser deferidos. É hora de decidir.

Enfrenta ou foge? Luta ou inventa uma desculpa? Acorda ou segue pastel? 

 


( Proximo texto será sobre o Clube da Luta ) 

⌠ 42 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Dani Ribeiro
Mentiras ou meias-verdades sobre mulheres ♀ (Parte III)
Escrito por Dapliny

3 – Toda mulher é interesseira $$ MEIA-VERDADE


Sim, todas nós somos interesseiras, temos interesses materiais ($$), afetivos, profissionais e etc. Somos tão interesseiras quanto os homens, que também têm os seus próprios interesses. No entanto, as mulheres são mal-julgadas pela sociedade quando se trata desse assunto. Quando se fala em “mulher interesseira”, a primeira coisa que vem à cabeça é o interesse pelo homem através do seu poder aquisitivo. Vide Luciana Gimenez ou as tantas “Marias-não-sei-o-quê” que existem por aí (Maria-Gasolina, Maria-Chuteira, Maria-Bits...). Mulheres como essas têm sim aos montes por aí e acabam servindo como exemplo para todas nós, indevidamente. Mas ninguém fala por exemplo, de Jesus Luz que ficou conhecido no mundo todo depois de sua aparição com a Madonna, ou dos incontáveis namorados da Suzana Vieira.

Voltando ao assunto “mulheres”, eu acho tão besta essa associação que muitos fazem de mulher e interesse material. Como se amor, relação e dinheiro fossem algo indissociável apenas para a mulher. Como se ela não fosse capaz de ir atrás de seus interesses sozinha, sem depender de homem para chegar aonde quiser. Mas é claro que existem caminhos mais fáceis, e disso falarei mais adiante...

Pois bem, essa associação, a meu ver, está muito mais ligada ao fato de, ao longo de toda a história, o homem ser mais bem sucedido financeiramente do que a mulher. Até hoje os homens ocupam os cargos mais altos na carreira e seus salários são bem maiores se comparados com a média salarial das mulheres. Todavia, esse quadro já vem apresentando algumas mudanças, e para melhor... ou melhor, para o bem das mulheres! Hoje vemos mulheres ricas e bem sucedidas e algumas chegam a ganhar bem mais do que os homens, apesar de ainda ser a minoria. E hoje vemos muitos garotões pegando mulheres ricas e poderosas, né não?! E isso sempre teve, só que atualmente está mais em evidência... Ainda não está tanto porque faz parte da crença coletiva dos machos de plantão que a mulher tem que ser inferior, submissa e ganhar menos, ou seja, o orgulho masculino fala mais alto do que o seu interesse.

Mas, porém, todavia, contudo, entretanto...

É claro que um homem rico desperta algo a mais em nós, mulheres. Um homem que possui bens materiais um tanto considerável nos faz ter expectativas para o futuro. E todo mundo deseja isso, mulheres e homens. Homem bem sucedido financeiramente pode ser um sinal de amadurecimento. Já disse no item “Mulher é o sexo frágil” que nós precisamos de proteção e, além de uma série de fatores, dinheiro tem a nos oferecer essa sensação de segurança, e oferece, de fato.

Ora, se você rala a vida inteira para ter uma vida digna e mesmo assim ela segue difícil, por que não sonhar com um príncipe encantado montado em um cavalo branco? (Leia-se: homem rico dirigindo uma Mercedes Benz ou similares). Ter os nossos próprios interesses não faz de nós pessoas sem caráter, putas e vadias. Agora, no caso de mulheres (ou homens também) que priorizam o dinheiro acima de tudo em qualquer relacionamento, aí sim, merecem os piores nomes. E que existem esses tipos de mulherzinhas, existem sim, mas não podemos generalizar.

O que é preciso ter em mente é que bens materiais são alicerces fracos para o futuro de uma relação, nada disso garante a felicidade, é preciso considerar o conjunto todo antes de iniciar um relacionamento e, o mais importante, ter interesses e projetos de vida em comum. Se eu estudo, batalho pra caramba, trabalho para pelo menos ter a vida que eu quero, nada mais justo que querer buscar no seu parceiro os mesmos objetivos. Afinal, “amor não enche barriga” e “quem casa, quer casa”, mas só “dinheiro não traz felicidade”. ;)

⌠ 1 avaliação para a publicação abaixo ⌡
Pedro Henrique Lima
Não, você não é ilha!
Escrito por Quintiliano

Aqui vai um desabafo, mas fiquem tranquilos! Não farei chororô sobrem mulher, problema familiar.
O que me faz engasgar é essa forma atual de lidar com discussões acerca dos diversos temas.
Não consigo crer que exista algum momento na hitória de tamanho problema em mudar de ideia. Vê-se isso subcomunicado em certas frases típicas:
- Respeito sua visão, mas fico com a minha
- É tudo muito subjetivo
- É tudo relativo
- Devemos tolerar a opinião dos outros
Sempre que tenta-se discutir o resultado é o mesmo: cai-se no campo subjetivo para que ninguém tenha de mudar de ideia. Assim seremos reféns de um desenvolvimento solitário. Seria tão mais fácil se tivessemos segurança de abrir-nos uns aos outros e assim progredissemos juntos. Mas seguimos egoistas.
Não consigo ver isso além de um desenvolvimento quase pleno na humanidade de narcisismo. Ninguém quer estar errado, ninguém quer mudar de postura. É quase um " Não se meta na minha vida, você nao manda em mim ". Assim caminha a humanidade, cada vez mais egoista e narcisista enquanto se torna mais e mais dependente dos outros. Não precisamos de respeito e tolerância, precisamos admirar as diferenças.

Não, você não é ilha! 

⌠ 40 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Pedro Henrique Lima
Mulher é o mistério sem segredo
Escrito por Peter, the romantic

       Me perco entre diversos devaneios quando penso em mulher(es) [afinal, nunca existe apenas uma mulher] e dessa vez resolvi divifir aqui no blog. Já aviso que estou escrevendo aqui além da velha discussão sexista de direitos iguais e blá blá blá... 

Quantas vezes insisti em buscar lógica, coerência cartesiana e racionalidade em mulheres?! Já inclusive deixei de viver mulheres por conta dessa visão fechada. Buscava entendê-las para vivê-las, lógica totalmente invertida. 

Bem disse Clarice, em nome de todas as mulheres:"Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato...Ou toca, ou não toca.".

Proponho agora uma nova perspectiva: parar de decifrar gestos e movimentos, parar de estipular o que ela é e o que ela não é. Na próxima vez que sair com mulheres, entenda o momento como um baile de máscaras. Embora no mesmo corpo, existem diversas mulheres( Aproveito pra citar meu guru, Chico Buarque:"Ela faz cinema/Ela faz cinema/Ela é a tal/Sei que ela pode ser mil/Mas não existe outra igual"). Temos de conhecer as diversas mulheres que existem nela. Paremos de dizer "você é isso", "Você não faz isso" e apenas aceitemos de braços abertos toda a vida que vem dela. Assim, não se ceifa o movimento dela, mas se entra na torrente que é sua vivacidade.

A interação entre a alma feminina e a alma feminina é conflitante e harmoniosa, daí reside a beleza se bem entendida. A mulher é a intensidade, a infinidade e o movimento junta-se já o homem é o foco, a profundidade e a solidez.

Marisa Monte disse bem na música do inicio do post:

"Daqui você pode beber
Só não se perca ao entrar
No meu infinito particular"

Intensifique a vida com sua mulher, não se contente apenas com o superficial; vá além! O Gozo masculino está justamente aí: Descubra seus gestos, trejeitos, olhares, sorrisos, movimentos, cheiros, gostos, e mais, descubra as várias mulheres presentes nessa infinitude. Apenas sinta, não decifre e nem considere que já a conhece( Isso NUNCA vai acontecer ).

É no prazer de explorar e conquistar que reside o instinto mais forte do homem.

"I will come to you in the day time
I will raise you from your sleep
I will kiss you in four places
As I go running down your street
I will squeeze the life right out of you
I will make you laugh, make you cry
and you may never forget it as I make you call my name
as I shout it to the blue summer sky"

(Ouça na voz de Eddie Vedder, CLIQUE AQUI)


Por fim digo: Emocione-a, "esprema" a vida diretamente dela. Mulher é o mistério sem segredo. 

http://letras.terra.com.br/elvis-costello/8688/

⌠ 6 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Douglas Zílio Coutinho
O Eu Gaita de Fole
Escrito por Douglas Zílio Coutinho

Oi, como vai você?  Vamos direto ao ponto. O assunto que decidi abordar nessa publicação está muito mais relacionado a você do que a juventude de um modo geral. Peço que não me confunda com um escritor de auto-ajuda, mas penso que buscar as respostas para nossas indagações em nós mesmo é a fonte perfeita para uma mudança.

Talento. Você o tem ? Vejo alguns jovens que vão a minha procura me perguntando como eu faço teatro, como eu pinto e desenho e tudo mais. Eu tento ensinar para elas,  mas a grande maioria depois de alguns meses de tentativa desistem, uns não ligam , outros se sentem mal. Quando vou conversar com eles, dizem que não possuem talento algum. Oras, um talento não é uma gaita de fole, aquele instrumento que só os mais diferentes tem e que ninguém mais possui. Está muito mais para um violão, aquele intrumento que quase todo mundo tem em casa, ou já encostou em algum.

Qual é o seu? Dançar? Cantar? Criticar? Dar ideias? Poesias? Seja qual for, tente descobrir, e use-o. Mas não apenas para seu benefício próprio, não apenas para ganhar dinheiro. Mas para tornar o seu habitat um lugar mais diversificado, acabe com a mesmice. Eu creio que todos temos algo que sabemos fazer, que somos ótimos, descubra no que você é bom e toque a banda pra fente. Sacou ?

Olhe para o lado, você está repleto de artistas que não fazem arte. De intelectuais que são tolos. De cantores que não cantam. Lutadores que se rendem perante o suborno. Há espaço para pessoas com vibra, com valores morais. SE não tiver, arrume. A humanidade tem a sociedade que merece. Se você for omisso e inerte, não reclame depois, nem agora, NEM NUNCA . ¬¬ - Quer ter direitos ? Você tem a obrigação também.

Você é você, eu sou eu. Violão ou gaita de fole temos nosso objetivo aqui. Descubra qual é o seu e vá em busca dessa concretização. Você também é foda.

Douglas Zílio Coutinho.

⌠ 9 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Douglas Zílio Coutinho
Cérebro, pra que te quero?
Escrito por Douglas Zílio Coutinho

"A inteligência é o único meio que possuímos para dominar os nossos instintos."

Freud (Tio Fróide)

 Buenos dias. Bom, esse é o meu segundo post, espero que gostem, ou não. Dane-se, na verdade, eu quero que as linhas a seguir te ataquem, te deixem revoltado(a) a ponto de querer largar um pouco o msn, e o facebook e querer fazer alguma coisa, vamos lá!

 Hoje em dia é moda ser inteligente ou pelo menos agir como uma pessoa inteligente. Quase todos hoje querem usar óculos, pegar o seu Código da Vinci e ouvir seu MPB. Não que isso seja ruim, querendo, ou não, é um pouco de cultura que está entrando na cabeça desses modistas (pessoas que vivem em busca de novas tendências), MAS, sabemos que isso é passageiro, ainda mais no mundo miojo que vivemos (sim, miojo), em três ou cinco minutos está tudo preparado.

 A verdadeira inteligência, o questionamento, a busca pelo saciar pessoal é deixado de lado em um mundo onde você precisa ser mais bonito do que inteligente para conseguir uma grana alta. Mas, o que acontece com esse desdém? Os estudiosos são excluídos e os ''manézões'' que falam:  "colé mina, é noix na fita, tu sabe que eu só pica e pegu varias mulézinhas" são tratados como sinistros e se acham fodas. É preciso lembrar do funk: "Sou foda, na cama de exculacho, na sala ou no quarto ( CLIQUE AQUI para assistir)". ¬¬

 E o pior, de fato eles são deificados e a culpa é tanto da mídia tola e superficial, quanto de quem valoriza essas coisas. Se não tivesse alguém dançando na música ninguém cantaria, justamente porque o atrativo é o ritmo e não o conteúdo. É perigoso, estamos em um mundo louco, onde é legal ser inteligente, mas não um inteligente verdadeiro, rs. Sou o único que acha isso estranho ?

 O que você pode fazer pra mudar isso? Bom, se você deseja mudar esse pensamento bizarro dos jovens de hoje, comece com um por vez. Faça um ''discipulado''. Converse, eduque... Acredite, isso dá certo, amizades também moldam personalidade e forma de ver o mundo.

 É isso aê, espero que tenham gostado e que essas palavras bobas - que vocês obviamente já conheciam -  façam você acordar e fazer mais do que tem feito!

 Abraços.

Editado por: Pedro Henrique Lima, seu garoto rei da rima