⌠ 35 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Ramon Bernardo
Musicalizar-se
Escrito por Ramon Bernardo

Esquece-te um pouco as dores,
Arrisca os acordes de DÓ!
Se te é preciso, voltar em macha-ré
Não esquece-te de MÍ
 
Há sempre um FÁ, um fazer que me agrada.
E se te falta luz,
Se inspira no SOL
Que nada cobras, mas ilumina a todos.
 
Encontra no LÁ o teu lar,
E repousas SÍ estiver muito cansado da vida.
 
Enbarque no Buarque,
Usa e abusa, de Cazuza.
Mas não te esqueces, que música
Ah, musica é um sofisticado respirar.

⌠ 32 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Ederson Oliveira
apenas uma nota
Escrito por Ederson Oliveira

Que a beleza do meio me inunde. Qualquer esforço pra compensar a erupção interna com a calmaria de fora é aceito. Quero ouvir o ensurdecedor, ele ajuda a calar as vozes byronianas que me acordam e que me levam para a cama. Quero provar o amargo, sem o qual o adocicado não teria qualquer atenção e seria corriqueiro. Falar também, mas aquilo que não é qualquer um que ouve. 
O mundo, imagino, é repleto de oásis prontos a acalmar o espírito do menino confuso e medieval. Talvez não seja fácil encontrá-los. Aliás, difícil mesmo é conseguir calar os ruídos externos que tornam difícil para percebê-los. Mas o rapaz consegue. Hoje pode ser que não, mas isso não é nada pra quem tem a eternidade. E não adianta contar isso tudo ao menino, ele ainda não entenderia...

⌠ 59 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Marisa Oliveira
Ressalvas
Escrito por marisa no céu


The Weather Girl I por Alexandra Levasseur


algumas pessoas acham que sou sonsa séria santa
- não sou, e nem era; quero ser só o que não cansa.
rio alto, percebo, bebo, falo palavrão, gosto de fritar
uso salto, revejo, desejo, uso a mão, dispo com o olhar

outras pensam que não tenho coração
porque não me comovi com a última tragédia da televisão
- eu que já chorei por uma judia alemã,
por crianças do Alemão, por bombas no Vietnã

outras juram que eu não sou amada,
porque nem sempre vejo graça
na garça, que é sempre inédita, na proa;
- sou rio, e não rio, nem sorrio a toa

e algumas pessoas levam muito em conta tudo que eu digo;
- saibam que eu não sei nem das coisas que eu lido
e também não sei do que tenho lido,
e nem sempre me dou bem comigo

 

⌠ 44 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Ramon Bernardo
Ao meu passado
Escrito por Ramon Bernardo


“Devo-lhe muito!

Ao meu passado devo minha cultura.

Minha sabedoria.

Minha paciência.

E minha ignorância.”

Vagueia menina, nostálgica vida dentro deste quarto. Pegou todos os meninos para cuidar. Cuidou menos de si do que devia. Escreveu seu nome em bocas sujas. Esqueceu-se de lavar a sua boca antes de proferir seu próprio nome. Se já se sentes envergonhada com o caos que lhe caiu em vida, já não se sentes magoada por todos quantos deitados em sua cama morderam parte do seu futuro.

Mas quem quer saber de futuro? Perguntas do que vem pela frente são tolas, quando se teme o presente e não se esquece de o que se viveu. Não lhe deve contas! Não deve nada ao seu futuro, embora saiba que é dele a incerteza capaz de assombrar os homens.

Ao seu presente deve menos! Seu presente é deitar-se. Abrir-se. Não ousa sentir-se coitada! É boa demais para isso. Para lastimasses.

Ao seu passado deve-lhe tudo. Deve sua força, e sua fraqueza. Deve o medo de monstros e de homens. Sobre tudo de homens. Deve menos ontem, do que deverá amanha. O passado acrescido de juros diários é a regra vital de esse inóspito viver.

Essa menina é alguém que não ouso dizer o nome. Ela é dona de uma grande casa e de muitos filhos. Mas não é dona de si. Só é dona de seu passado, e nada mais lhe resta.

⌠ 10 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Ramon Bernardo
Viver Sem Tempos Mortos
Escrito por Ramon Bernardo

⌠ 43 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Manuella Costa Pires
"Instantâneo"
Escrito por Manu Pires

Momentos de delírio, chega de martírio 
Pessoas, felicidade sem cumplicidade
Onda que contagia e só se vê orgia.

Ali lágrimas parecem não existir
juntos dançando, só querem se divertir.

O que vem depois não importa
agindo todos soltos, você concorda
leves deixam o corpo, você acorda

Como se em cinco dias tudo fosse melhorar
mas minutos depois tudo vai desabar

é bom, diferente, inusitado
com tom, envolvente e fica marcado

Você decide a marca, temos três opções:
boa, igual ou ruim

Quase sempre a última se vigora
em poucos dias, é, não demora.

Manu

http://devaneiosdamanu.blogspot.com/

⌠ 39 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Patrícia Weber
Belatriz
Escrito por Patrícia Weber

Beatriz era bela. 
Daquelas moças jeitosas, 
com seu vestido florido, 
sua pele alva, 
seus cabelos claros como o céu em dia de verão que 
fazendo par com aqueles olhos, 
a deixava ainda mais reluzente. 
 
Quando menina, 
as primeiras notas de sua vida foram as do piano. 
Antes mesmo de aprender a tocá-lo, 
já se entretinha a brincar com o charmoso instrumento. 
Charmoso como Beatriz tornou-se quando já grande.
 
Sua voz, macia, agradava a todos os ouvidos a que chegava. 
Beatriz tinha um bom gosto para a música. 
Mas não era só as melodias que tinham o privilégio de tê-la como guia, 
a poesia também a tinha. 
Se encontrava nos versos e se perdia, também. 
Passava horas a fio a escrever miliuma estrofe. 

Encantava-se com as histórias dos livros, 
porém, apenas com contos fantásticos
e aquelas ficções cheias de imaginação. 
Não gostava da realidade, não. 
Dizia que o mundo real não a fazia bem, e ainda indagava: 
viver na imaginação, que mal isso tem?!
 
Beatriz, aos dezesseis anos, foi uma exímia bailarina. 
Rodopiava, 
saltitava, 
dava piruetas no chão. 
Durante os três anos de aula, 
dedicou-se às sapatilhas como o utópico se dedica aos seus sonhos.
 
Do palco do ballet, 
foi para o do teatro. 
Beatriz virou atriz. 
Encenou, 
encenou, 
e brincou com a imaginação alheia. 
Brincou de ser várias personalidades, 
achando sê-los de verdade. 
Beatriz acreditava mesmo ser aquela que se vestia.
 
Um dia, vi Beatriz no Teatro Municipal. 
Mais linda não consegui imaginá-la. 
Seus cabelos tornaram-se mais escuros, 
seu corpo mais curvo, 
sua feição mais marcante. 
Tinha tornado-se uma mulher. 
 
Será que ainda com os mesmos devaneios? 
Será que ainda tinha tamanha imaginação?
 
Ah, me leva para sempre, Beatriz.