instagram

⌠ 59 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Ederson Oliveira
A vida é sobre não estar imune
Escrito por Ederson Oliveira
 
Ninguém está imune de, em uma quarta-feira nublada de dezembro, achar alguém que torne seus dias mais leves e cheios de borboletas (que a essa altura já saíram do estômago e estão voando por aí). Depois disso, a relatividade do tempo fica tão evidente quanto seu sorriso bobo lendo mensagens no meio da tarde. Horas, meu amigo, podem ser uma intragável eternidade e minutos podem durar um século inteiro. Ele, o tempo, só reflete a velocidade do que a gente está sentindo, ora congelado pálido e ora mais apressado que a luz. Uma vez eu li que as coisas mais legais acontecem quando a gente está distraído, sem procurar, sem grandes expectativas. E fazendo uma rápida retrospectiva é muito fácil perceber que o que a gente tem de mais valioso hoje vieram de encontros casuais, de lugares comuns, sem nada de premeditado ou esperado por semanas. A vida tem esse capricho, de dar quando a gente não espera receber. Então, não menospreze o poder das quartas-feiras nubladas de dezembro e muito menos da gentileza que o universo é capaz de prover...

Ninguém está imune, entretanto, de, em um sábado chuvoso de março, deixar ir alguém que já não estava de verdade há tempos. É a ampulheta do tempo virando, e a gente com ela. As tais borboletas já foram sobrevoar outros lugares e a chuva de fora não é nem um pouco comparável ao dilúvio de dentro. É como se aquilo que começou naquela tarde de dezembro não apenas tivesse apenas se iniciado naquele momento, mas tivesse começado a acabar a partir de lá. “A gente começa e já começa a terminar”, porque o universo tende ao caos e a gente não seria diferente.

Não duvide da imprevisibilidade dos dias despretensiosos, não ache que a gentilezas vão durar para sempre e, sobretudo, nunca pense que outras tantas ainda não virão. Porque a vida, amigo, é sobre não estar imune.

 

⌠ 62 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Fábio C.
Gonzaguinha - Comportamento Geral
Escrito por Fábio C.


⌠ 76 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Manoelle
Dom sem dono
Escrito por Manoelle D'França

alt

Teimosia de muitas forças,

indomável, sem controle algum.
Dissimulado e cheio de vícios,
nascido e criado em lugar nenhum.

Um intolerante noturno, matutino, vespertino.
Dom sem dono,
dom em desatino.
Desaba em cascatas de desequilíbrio,
mas tomba como flores na primavera.
Do coração,
suas palavras me fecham uma cratera.

Me possui quando tem vontade,
e some deixando-me à mercê da realidade.
A única cura para a dor que me causa,
o chão em que piso quando me desvia da estrada.
Meu lar quando me deixa adormecer no sereno.
Do melhor dos antídotos,
o inevitável veneno.




⌠ 65 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Fábio C.
A Verdadeira Globalização
Escrito por Fábio Carvalho
 
 

A Globalização Perversa, por Milton Santos

A globalização é o estágio supremo da internacionalização. O processo de intercâmbio entre países, que marcou o desenvolvimento do capitalismo desde o período mercantil dos séculos 17 e 18, expande-se com a industrialização, ganha novas bases com a grande indústria, nos fins do século 19, e, agora, adquire mais intensidade, mais amplitude e novas feições. O mundo inteiro torna-se envolvido em todo tipo de troca: técnica, comercial, financeira, cultural.

Daí a ilusão de vivermos num mundo sem fronteiras, uma aldeia global. Na realidade, as relações chamadas globais são reservadas a um pequeno número de agentes, os grandes bancos e empresas transnacionais, alguns Estados, as grandes organizações internacionais.

Infelizmente, o estágio atual da globalização está produzindo ainda mais desigualdades. E, ao contrário do que se esperava, crescem o desemprego, a pobreza, a fome, a insegurança do cotidiano, num mundo que se fragmenta e onde se ampliam as fraturas sociais.

 

⌠ 54 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Fernando Feio
Autocrítica de Ressaca
Escrito por Nego Rockhard


Cuspo sangue ao atravessar a rua.

Mais um manhã em pé e caminhando contra 
a própria vontade. Outro assistente inofensivo, 
brincando de querer ser milionário, jogando tempo
e saúde mental no lixo em troca de um atestado
de fodido todo quinto dia útil do mês, assinado 
por um gordo depravado de meia idade qualquer
que lota as filas das casas de swing e puteiros.

Cuspo sangue quando vou mijar.

E o embrulho no estômago me dá alguns segundos
de arrependimento das inúmeras doses destiladas
que preenchem as minhas madrugadas solitárias em
pistas de dança e áreas de fumantes nos finais de semana.

Cuspo sangue no copo d'água, num icônico brinde
a todos os papéis de bêbado otário que eu tenho
interpretado nos últimos meses. Me desculpando
com seguranças e gerentes e cumprimentando 
filhos da puta que nunca foram com a minha cara e
que dão aquele sorriso de merda de quem vai tentar 
roubar a sua garota assim que você virar as costas.

Cuspo sangue na privada enquanto sou colocado 
de joelhos pela ânsia e a tontura e a baixa pressão 
sanguínea dignos da ressaca de um ditador, que se
curva diante do resultado ingrato da vã perseguição 
das suas obsessões infantis.

Descem descarga abaixo toda a esperança que um 
recém embriagado pode ter. Junto com todas as 
bitucas dos cigarros que insistem em fisgar minutos 
provavelmente não preciosos da sua vida.

Junto com todas as mulheres-explosões-estelares
que iluminaram por breves momentos sua tragicômica
existência e depois desapareceram de forma lógica 
na equação medrosa criada por ele mesmo cuja única 
função é afastar qualquer uma que se aproxime
suficientemente pra ver o garoto inseguro atrás da 
nuvem de piadas ruins e histórias inventadas.

⌠ 61 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Ederson Oliveira
Em um banco de praça
Escrito por Ederson Oliveira

DSCN9438 1024x768
 
Alguns dias são bonitos só de existirem. Não precisam que nada de extraordinário aconteça para aumentar o nível de contentamento que a gente sente com a vida quando se está em um deles. Talvez esses dias não sejam os mais frequentes, então há de se sair de casa e abusar da sua efemeridade. E hoje foi assim.
Acordei como quem não sabe exatamente de onde veio esse ânimo que andava ausente, mas que sabe exatamente para onde canalizá-lo. Andei pensando que o fato de a gente acreditar que tá feliz pode ajudar, alguma coisa como efeito placebo. Desde então, acordo fingindo que não me preocupo com esses problemas (tão bobos, vá) e aproveito a liberdade que isso gera. Então, cá estou, em uma tarde de quarta-feira sentado em um banco de parque , pensando no quanto tudo pode ser mais leve se a gente deixar.
E isso tudo me parece menos bobagem quando olho pro lado e vejo mais pessoas assim, só sentindo a vida em uma quarta comum. Penso que, lá na frente, essa gente que tentou não levar as coisas tão a sério é que vai sentir ter feito algo da vida além de passar por dias seguidos e automatizados. A vida é mais que isso...
 
⌠ 57 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Manuella Costa Pires
"Esse Sim"
Escrito por Manu Pires

altPerguntas, perguntas, perguntas
difusão delas no ar
reflexo de um pensamento adverso
desapontamento, indecisão, frustração
decepção, relento e indignação
paira um sentimento do poderia
remói corpo e alma, mente e coração
talvez se eu tivesse, o que aconteceria

o “se eu tivesse” não da-te a vaga
não assegura-te a casa
não mostra-te o caminho
não acrescenta-te a experiência
o “se eu tivesse” não existe
já foi, acabou, evaporou, solidificou
ou líquido se fez, mas não modificou

por isso temos o agora
um caminho alegre ou triste
totalmente inconstante
vem amores, vão amigos
vem rancores, ficam perigos
vida, traçada, colocada, objetivada
está aí, dia a dia, noite a noite
o “se eu tivesse” não existe
o hoje, esse sim existe.